segunda-feira, 27 de julho de 2015

Livro - O Centro do Coração de Deus


Sempre nos indagamos se é possível conhecer o que está no Centro do Coração de Deus, em fazer a vontade de Deus. Você a conhece? Se conhece, tem obedecido? Deus nos pediria algo impossível de se praticar? Haverá então alguma razão para não obedecermos à Sua vontade?

Jesus ensinou a orar "seja feita a tua vontade" (Mt 6:10). Uma das condições para a eficácia na oração está em que ela seja feita segundo a vontade de Deus (I Jo 5:14). A entrada no reino do céu está reservada àqueles que fazem a vontade de Deus (I Cor 6:9-10; Gl 5:19-21). Temos de concluir que é possível conhecer e fazer a vontade de Deus!

A única razão para não nos submetermos à vontade de Deus é a desobediência, a ignorância ou, o desinteresse em não querer conhecê-la. Porém, isto não é característica de um filho de Deus. Será possível amar a Deus e não O obedecer, conhecer ou se interessar por Ele?

Temos sentido a necessidade, o desejo, e o anseio por conhecer e fazer a vontade de Deus? Este foi o sentimento do Salmista. "Ensina-me a fazer a tua vontade, pois tu és o meu Deus" (Sl 143:10). Se Ele é o seu Deus, vai lhe ensinar a Sua vontade, vai te mostrar o caminho a seguir! Clame a Ele.

Mas qual é o caminho a seguir? Qual é a vontade de Deus? A vontade de Deus é que Geremos filhos semelhantes a Jesus para a Glória de Deus Pai.

Fui profundamente tocada quando li a história da pessoa que leva a vida inteira preparando um bolo para Deus, um bolo de chocolate. Lindo, delicioso! Então ela chega diante do Senhor no ultimo dia, toda feliz, e lhe diz: “Está aqui o fruto da minha dedicação e sinceridade. Fiz com todo o carinho!”. Mas, para sua surpresa, Deus olha para o bolo e diz: “Eu não gosto de bolo de chocolate, prefiro baunilha”. Imagine a reação desta pessoa!

Infelizmente passei por uma situação parecida com esta há alguns anos quando estava fazendo um trabalho muito importante na empresa em que trabalhei. Fui elogiada por todos, menos o meu gerente que ao final disse que não era aquilo que ele queria. Disse eu não soube identificar a necessidade dele. Agora imagine a minha cara, imagine como fiquei arrasada. Senti-me a pior pessoa do mundo, a pior profissional. Pensei até em pedir demissão. Indignação total.

Não queremos passar por situações como essa aqui na terra, imagine então ouvir isso de Deus. Sinceramente não quero nem pensar. Por isso decidi servir a Deus, fazer o meu melhor, mesmo que isso custe a minha alegria, as minhas vontades, a minha satisfação. Não pense que foi fácil, pois não é fácil, mas é sobrenatural. Mesmo sabendo que não estou satisfazendo aos meus irmãos muitas vezes, que não sou a pessoa mais agradável do mundo. Mas tenho certeza de que Deus me ama assim. Não porque não há opção para mim, mas por saber que Ele decidiu me amar, apesar dos meus defeitos. E diariamente sou moldada por Ele. A cada situação difícil, de constrangimento, de renuncia ou de dor.

Nessas horas é que sei que estou no Centro do Coração de Deus, fazendo a Sua Vontade! Pois estou carregando a Cruz que me foi destinada a carregar, assim como Jesus carregou a Cruz por meus pecados. Tenho certeza de que Ele não estava feliz, nenhum pouco. Sofreu absurdos, chorou, mas não reclamou, pois sabia que estava fazendo o que o Pai queria que Ele fizesse.

A idéia de muitas pessoas é que “fazendo com sinceridade, você realizar qualquer coisa, que Deus aceitará”. Mas isto é um grande engano. Paulo diz sobre seus compatriotas judeus: “porque lhes dou testemunho de que eles têm zelo por Deus, porém não com entendimento” (Rms 10:2). Eles tinham dedicação, mas como não tinham conhecimento acabaram matando Jesus. E em Lucas 12:47-49 na parábola dos dois servos. Um recebeu muitos acoites porque sabia a vontade do seu Senhor e não a fez, mas o segundo que não sabia a vontade de Deus também recebeu punição.

Você já viu aquelas pessoas que quando vão dar um presente para alguém dão não o que o outro gosta, mas sim o que ela ama? Ele gosta de futebol, e por isto dá uma bola para o outro. Infelizmente tem um monte de gente fazendo muita coisa na igreja, ofertando muita sinceridade, no entanto eles nunca pararam para perguntar: “O que Deus gosta? O que Ele quer nós demos a ele?”. O que Deus quer são vidas. Ao criar Adão Ele disse: “Sede fecundos!” Ao enviar os discípulos na grande comissão ordenou: “Fazei discípulos!”. Jesus falou para Pedro: “Se tu me amas cuida das minhas ovelhas”.

Os homens de Gênesis 4 (genealogia do fazer) fizeram muitas coisas; construíram cidades, inventaram instrumentos musicais, eram artistas, construtores e fazendeiros. Nos seus dias eles eram a elite da sociedade. Os homens de Gênesis 5 (genealogia do gerar) não fizeram muita coisa, mas acerca deles se diz apenas que eles geraram. Porém há uma diferença entre estes dois grupos, pois não se diz que os que “fizeram” viveram. Porque o sentido da minha vida acontece quando dou sentido à vida dos outros, e eu faço isto ministrando, dando meu testemunho e ensinando o evangelho as pessoas.

Em João 12 a partir do verso 1, Jesus foi visitar Lázaro a quem Ele ressuscitara dentre os mortos. Durante a ceia podemos observar, no texto, que Lázaro estava com Ele junto à mesa enquanto Marta os servia e Maria estava aos seus pés ungindo-os com bálsamo de puro nardo. No livro “Ouvindo Deus na Tormenta” o autor consegue mostrar outro lado desta história que eu ainda não havia prestado a atenção.

Muitos conseguem ver somente a adoração de Maria aos pés de Jesus, derramando o mais precioso bálsamo e enxugando com seus cabelos. Nossa, quanto amor! O melhor lugar, onde todos nós queremos estar, a todo o momento. Adorando, somente adorando ao Senhor. Que privilégio! Ou então sentados à mesa ao lado de Jesus contando as maravilhas, as obras que Ele está fazendo em nossas vidas. Dando o testemunho do grande milagre que Ele fez por causa das nossas orações. Poxa, que honra, que prazer, que alegria poder sentar ao lado de Jesus como seu amigo e ouvir seus ensinamentos. Mas, nos decepcionamos quando temos que executar uma tarefa braçal. Sairmos do lugar de visão de todos para estar nos bastidores. Deixar o melhor lugar para estar no “pior”, como Marta fez, para cozinhar, lavar as louças, arrumar a casa e servir. Ela mesma ficou chateada em ver a irmã “não fazendo nada” enquanto ela estava executando o serviço mais pesado. Toda suada, suja, cansada, deixando de aproveitar o melhor da comunhão para servir aos outros.

Como ouvi outro dia de uma irmã da nossa igreja que ela não gosta de estar na cozinha, enquanto os outros estão dançando e louvando ao Senhor. Ela acha injusto. Marta também se sentiu injustiçada. Cada um tem o direito de sentir o que quiser, mas antes temos que voltar nosso olhar para Deus para entenderemos o que está em Seu coração. O propósito para isso acontecer conosco.

É difícil, mas é a verdade. Assim como em uma orquestra são necessários todos aqueles instrumentos (e se faltar algum deles não há harmonia na música), assim também somos nós na igreja. Alguns cantando, outros adorando, outros recepcionando e outros servindo, mas todos com o mesmo chamado, com o mesmo intuito. Gerar filhos para Deus! Marta, Maria e Lázaro foram escolhidos para gerar filhos para o Senhor naquele momento, mas cada um no seu “lugar”. Eis o intuito do jantar, levar pessoas a verem o milagre realizado por Jesus em Lázaro e se converterem.

Tocar, cuidar da portaria, limpar o prédio da igreja não é eterno, porque não teremos estas coisas no céu. Eu quero trabalhar em algo que ficará para toda a eternidade, por isto decide servir a Deus, independente do lugar ou situação.

Li outro dia no livro “O Homem do Céu” que a igreja da China há algumas décadas sofria muito, pois não podiam se reunir em um templo para adorar ao Senhor. Se encontrassem alguma bíblia esta era queimada e a pessoa presa. As reuniões aconteciam nos lugares mais impróprios, de preferência durante a madrugada e a qualquer momento poderiam ser interrompidos brutalmente pela polícia. Os missionários viviam escondendo-se para poder levar o Evangelho aos que não o conheciam, pois se fossem pegos eram torturados e presos. Não havia música, teatro, dança, adoração, evento ponte... Não podiam falar alto e nem podiam dizer que eram cristãos. E mesmo assim, apesar de todas as dificuldades, a igreja da China se tornou a maior em todo o mundo. Com o maior número de membros. Mas por quê? Porque a partir do momento em que eles aceitavam a Jesus, eles entendiam que sua missão era Gerar filhos para o Senhor. “Pregar o Evangelho a toda criatura, até os confins da terra”.

E nas igrejas de hoje, se não houver a música, dança, teatro e os eventos, nos tornamos frios perante a Deus. Temos tudo o que precisamos para tornar a igreja de Cristo maior e, no entanto ao primeiro desentendimento, intriga, ou qualquer outra coisa pensamos em desistir. Proferimos que o fardo é muito pesado, difícil de carregar e logo desistimos, mudamos de igreja ou apenas esfriamos. Vivemos na zona do comodismo. Não conseguimos alcançar o coração das pessoas nas consolidações se dissermos a verdade sobre as situações do mundo. Somos rotulados de indiferentes, loucos ou radicais, já que nas outras igrejas as coisas não funcionam como na nossa. Digo isso por mim mesma, pois tive vontade de sair, não por esses motivos, mas por motivos que não valem à pena. Aliás, nenhum motivo pode nos tirar do caminho que nos leva a Jesus Cristo, nenhum outro vale à pena. Precisamos deixar de viver “A Sociedade do Espetáculo” (nome de um livro) e nos encontramos mais com Deus em nosso secreto para que Ele nos molde e nos ensine a andar por caminhos tortuosos sem esquecer o nosso chamado.

No casamento você lava, passa e arruma, mas isto não é um fim em si mesmo. O objetivo da família é o desfrute do casal e a geração de filhos. Na igreja nós cantamos, mas nosso ministério é de gerar. Adoramos, mas nosso chamado é gerar. Nós recepcionamos na portaria, mas a nossa obra principal é abrir a porta do reino dos céus para as pessoas. “Ora, tudo provém de Deus, que nos reconciliou consigo mesmo por meio de Cristo e nos deu o ministério da reconciliação” (II Coríntios 5:18). Este é o ministério de todo crente, o ministério sacerdotal (I Pedro 2:9), que leva Deus até as pessoas e traz as pessoas até Deus.

Toda a vida de Abraão se resumiu na luta para ter um filho. Enquanto os homens de Babel estavam preocupados em construir torres e tornar assim seus nomes celebres, Abraão viveu em tendas e para buscar cumprir o propósito de Deus em sua vida. Mas ter filho dá trabalho, lidar com coisas é mais fácil. Porém, assim como a dor do parto é esquecida pelo nascimento do filho, os sofrimentos que passamos ao decidirmos servir a Cristo também nem serão lembrados no grande dia onde Ele nos encontrará para dizer: “Servo bom e fiel, entra no gozo do teu Senhor porque foste fiel naquilo que o mundo chama de pouco ao trabalhar para mim na igreja, mas agora todo olho verá a grandeza do seu trabalho”. Alguém já disse que o inferno vai começar quando diante de Jesus os olhos das pessoas forem abertos e então elas perceberão que gastaram suas vidas com nada? Misericórdia!

Hoje vemos muitas igrejas empenhadas em política e em ações sociais, e achando que se alimentarem os pobres, se fizerem centros de capacitação profissional para ajudar a transformar o bandido em advogado, engenheiro ou médico estarão agradando a Deus. Isto é bom, mas nossa obra principal é mais profunda do que alimentar estômagos, mas sim alimentar a alma. E mais importante que transformar o bandido em advogado, queremos fazer do bode uma ovelha.

“Para que pela igreja, a multiforme sabedoria de Deus se torne conhecida, agora, dos principados e potestades nos lugares celestiais” (Ef 3:10). O diabo tem duas estratégias para nos desviar do caminho que nós como igreja temos que trilhar. Primeiro nos mostrando uma estrada ruim de adultério, roubalheira, egoísmo e etc. Se não cairmos nesta rua, ele nos tenta enviar por um caminho bom, onde alimentamos os famintos, fazemos sociais e por ai vai. No entanto Deus tem um caminho melhor, que é aquele onde somos instrumento de salvação eterna, porque isto só pode ser realizado pela igreja verdadeira, esta é a razão de o diabo resistir tanto a ela. O mundo pode tirar pessoas da favela. A igreja tem o poder te arrancar alguém do inferno. O mundo pode melhorar a vida por um momento. A igreja o faz por toda a eternidade. 

(Resumo do Livro "O Centro do Coração de Deus" - Pastor Aluízio A. Silva)

A Graça e a Paz do Senhor Jesus.