quinta-feira, 7 de agosto de 2014

Restauração Da Comunhão Entre Deus E O Homem

"Sê exaltado, ó Deus, acima dos céus; e em toda a terra esplenda a tua glória." (SL. 57.5)

Uma vida espiritual satisfatória sempre tem início com uma mudança completa na relação entre deus e o pecador - não se trata apenas de uma mudança de caráter judicial, mas de uma alteração consciente e experimental, que afeta toda a natureza do pecador. A Expiação efetuada pelo sangue de Jesus torna essa transformação legalmente possível, assim como a operação do Espírito Santo a torna emocionalmente satisfatória. 

Para se estabelecer uma analogia qualquer é preciso haver um ponto de comparação. Em algum lugar há de haver um centro fixo pelo qual tudo o mais é aquilatado, e onde não existe a lei da relatividade; e possamos dizer isto "É", em termos absolutos, sem necessidade de se acrescentarem quaisquer qualificativos. Deus é este centro. Quando ele quis tornar seu nome conhecido pela humanidade, não encontrou maneira melhor de fazê-lo do que chamar-se de "Eu Sou"; quando nos referimos a ele, dizemos "Ele É"; e quando falamos diretamente com ele, dizemos "Tu És". Todas as criaturas e todas as coisas são avaliadas em relação a esse ponto fixo. "Sou o que sou", disse Deus - o que equivale a "Eu não mudo".

Da mesma maneira que o marinheiro localiza sua posição no mar observando a altura do sol, nós também podemos conhecer nossas bases morais olhando para Deus. É mister que comecemos em Deus. Só estaremos no caminho certo, quando nos colocarmos na posição correta em relação a Deus, e quanto mais nos desviarmos dela, mais errados estaremos.

Grande parte da nossa dificuldade origina-se da nossa falta de disposição em aceitar a Deus tal como ele é, e ajustar nossa vida à sua realidade. Insistimos em tentar modificar o Senhor, aproximando-o de nossa própria imagem. A carne rebela-se contra o rigor da sentença inexorável de Deus e, à semelhança de Agague, implora um pouco de misericórdia, um pouco de indulgência para com seu modo de ser e comportamento carnais. Mas, em vão. Só podemos ter um relacionamento correto com Deus aceitando-o como ele é, e aprendendo a amá-lo pelo que é. E se tentarmos conhecê-lo melhor, experimentaremos um gozo inexprimível, no fato de Deus ser tal como é. Alguns dos momentos mais arrebatadores que podemos conhecer são aqueles que passamos em adoração à sua divindade. Nesses momentos, até a ideia de que ele poderia sofrer alguma variação seria extremamente dolorosa.

Assim sendo, comecemos em Deus. Ele se acha acima de tudo, antes de tudo, e tudo nele sua causa. Ele é o primeiro na ordem de sequência, superior em posição e estado, exaltado em dignidade e honra. Sendo auto-existente, ele deu origem a todos os seres, e tudo procede dele e para ele. "Tu és digno, Senhor e Deus nosso, de receber a glória, a honra e o poder, poque todas as coisas tu criaste, sim, por causa da tua vontade vieram a existir e foram criadas". (Ap 4.11)

Toda e qualquer alma pertence a Deus e existe pela sua vontade. Sendo Deus quem ele é e o que é, e sendo nós quem e o que somos, a única relação concebível entre nós e ele é a de pleno senhoria da parte dele, e de completa submissão da nossa parte. Devemos a ele toda honra que pudermos render-lhe. Nossa constante infelicidade provém do fato de não lhe darmos tudo isso.

A busca de Deus exigirá que ajustemos nossa personalidade com a sua. E isso, não em termos de reconciliação, e, sim, de transformação. Não me refiro ao ato da justificação, mediante a fé em cristo, mas à exaltação voluntária com que elevamos o Senhor à posição que lhe cabe por direito, bem como ao ajustamento espontâneo de todo nosso ser àquele modo de submissão e adoração que se coaduna com a relação Criador-criatura.

"Sê Tu exaltado!" é a linguagem da experiência espiritual vitoriosa. Eis a pequena chave que destranca a porta dos maiores tesouros da Graça. Quando o homem chega a um ponto em que sua vida se harmoniza com o testemunho de seus lábios dizendo constantemente: "Se Tu exaltado!", então milhares de probleminhas serão solucionados. Sua vida cristã deixará de ser aquela complicação que fora antes, para tornar-se a própria essência da simplicidade. Por sua própria vontade, ele escolheu seu caminho, e nele se manterá, como que levado por uma disposição íntima de alma. O sopro do Espírito atua sobre ele e "desde os céus pelejarão as estrelas" em seu favor. (Jz 5.200. Ele resolveu o problema indo direto ao âmago da questão, e assim tudo o mais estará em harmonia consigo. 

Tendo sido criados à imagem de Deus, não é difícil para nós aceitá-lo novamente como nosso Senhor. Deus foi o habitat original de nosso coração, e por isso é lógico que nos pareça natural retornar a essa antiga e maravilhosa habitação.

"Aos que me honrarem, honrarei" (1 Samuel 2:30)
"E se alguém me servir, o Pai o honrará." (João 12:26)

(Retirado do livro "À Procura de Deus " do autor A. W. Tozer, capítulo 8)

Aqui deixarei a oração escrita ao final do capítulo - Exaltação a Deus.

A Graça e a Paz do Senhor Jesus.