segunda-feira, 28 de outubro de 2013

Promessa de Unção - Salmo 23


“O Senhor é o meu Pastor;… Unges a minha cabeça com óleo.”

Promessa de unção.

Esta promessa é maravilhosa. A unção de Deus sobre nossas vidas é essencial para o cumprimento dos propósitos que Ele mesmo tem para nós.

Algumas pessoas imaginam que a unção é um sentimento gostoso, um arrepio que sentem quando o culto foi maravilhoso. Mas a unção vai muito além disso. É claro que ela está associada à própria Presença de Deus entre nós, e ela pode mesmo ser sentida em nossas reuniões, ou até mesmo a sós, quando entronizamos o Senhor e Lhe damos boas vindas em nosso meio.

Mas vemos nas Escrituras diversos exemplos da unção, como o óleo derramado para ungir reis, sacerdotes, levitas, sempre tendo em vista a capacitação e separação para o cumprimento de um propósito.

É maravilhoso pensar que Deus nos unge a fim de nos capacitar a cumprir os desafios e tarefas que coloca diante de nós (até mesmo as “não religiosas”, o dia a dia em casa, no trabalho, etc). 

Não precisamos ir, realizar, nas nossas próprias forças. Aliás, como o próprio Davi experimentou, é melhor deixar a armadura de Saul de lado, por mais bonita e luxuosa que seja. 

É melhor deixar as ferramentas que este mundo oferece de lado, por mais convincentes e “seguras” que nos pareçam ser. É melhor deixar tudo, e confiar na unção, na capacitação sobrenatural que vem do Alto, e que usará aquilo de tão simples que o próprio Deus colocou em nossas mãos, ainda que sejam pedrinhas lisas de um ribeiro, para derrotar o gigante.

A unção do Senhor faz toda a diferença na vida, no ministério de uma pessoa. Sem muita “parafernália”, é possível ser mais eficaz com tão pouco, se a unção de Deus estiver presente sobre alguém, sobre algum lugar. Assim como tantas vezes já presenciei, palcos, luzes, muito som, e pouca unção. E outras vezes, apenas um acorde, uma voz solitária, encharcada de unção, produzindo quebrantamento e um encontro com a presença de Deus nos corações.

Ah! Que possamos deixar tudo para termos a unção. Ah! Que apreciemos aquilo que realmente tem valor, o azeite na candeia que não pode faltar, pois precisaremos dele quando menos se esperar. Azeite que não podemos pegar emprestado, mas deve ser comprado. O preço da consagração deve ser pago. Ah! Que jamais falte o óleo, a unção fresca sobre as nossas cabeças.

(Ana Paula Valadão Bessa)

A Graça e a Paz do Senhor Jesus.